quarta-feira, 18 de abril de 2018

J-TEST: Inscrições para o 2º exame aberto ao público devem ser feitas até o dia 28 de abril

J-Test: Exame de Proficiência de Uso Prático da Língua Japonesa
J-TEST: Inscrições até o dia 28 de abril

O 2º exame aberto ao público do “J-Test, Exame de Proficiência de Uso Prático da Língua Japonesa” que avalia a capacidade de uso do idioma japonês por não nativos, será realizado em São Paulo no dia 13 de maio. Ele é realizado pela “Associação do Exame de Proficiência em Língua Japonesa – Secretaria do J-Test” (Administrado pelo Centro de Pesquisa de Sentenças S.A.) e a responsável brasileira será a J Master.

O exame tem participação anual de 50 mil candidatos em 10 países do mundo e no Japão seu certificado é válido para mais de 400 instituições que incluem universidades e empresas. O prazo de inscrição será até o dia 28 de abril e a inscrição custará 180 reais.

O exame é dividido em “Nível E-F” (Equivalente aos níveis N4 e N5 do JLPT ) voltado para os iniciantes e “Nível A-D” para níveis intermediários a superiores, classificando os avaliados em 6 níveis conforme a pontuação obtida.

A prova consiste de teste de leitura e compreensão e teste de escuta e compreensão, além de incluir questões escritas de kanji e redação. O teste de “Nível E-F” é composto por 70 min. de teste de leitura e 30 min. de escuta, com pontuação máxima de 500 pontos (leitura: 300 e escuta: 200).

O teste de “Nível A-D” é composto por 80 min. de teste de leitura e 45 min. de escuta, com pontuação máxima de 1000 pontos (leitura: 500 e escuta: 500).

Ao final do exame, o site divulgará as questões, as respostas, os scripts e os áudios, permitindo fazer uma autoavaliação ou uma revisão pós-prova. Na terceira semana depois do exame será possível fazer uma busca pela nota e na quarta semana inicia-se o envio de 4 documentos aos avaliados: o certificado, as notas gerais, as notas individuais e os materiais de referência.

Segundo Rafael Braga, que prestou o “Nível A-D” em março: “Diferente da Avaliação de Proficiência na Língua Japonesa (JLPT), podemos revisar a prova depois. O teste de redação e o exame de nível de proficiência para negócios também podem servir de novas metas para os estudantes da língua. Se a certificação é reconhecida internacionalmente, talvez ela possa nos abrir novas oportunidades de trabalho ou de estudos”.

Nesta ocasião, o teste de “Nível E-F” será realizada das 9h50 às 11h50 da manhã e o teste de “Nível A-D” para estudantes de nível intermediário a superior será realizada das 13h às 15h25 da tarde.

O local do exame será avisado aos participantes posteriormente. Para a inscrição, entre em contato por e-mail: jmaster.brasil@gmail.com e preencha o formulário de inscrição: goo.gl/forms/y3SQqeDgo1r7KKew1

Visto para yonsei
A consulta pública sobre o visto para yonsei (descendente de japoneses de quarta geração) foi realizada em março e os comentários foram divulgados pelo site do Ministério da Justiça do Japão no dia 30 de março. O 34º comentário diz: “Em relação à comprovação do requisito de capacidade linguística, será que não deveriam aceitar uma maior gama de exames de proficiência, não só o Exame de Proficiência em Língua Japonesa (JLPT)?”. A resposta do Ministério: “O requisito é que tenha proficiência “equivalente” aos níveis N4 ou N3, portanto, a previsão será de admitir o resultado de outros exames, além do JLPT, como documentação de comprovação”.

A resposta parece suficiente para legitimar o resultado do J-Test como comprovante para a liberação do visto. O visto para yonsei entrará em vigor a partir de julho. O J-Test poderá vir a ser um exame muito útil para quem tem pressa de ir ao Japão.
Fonte: Jornal Nippak com Nikkey Shimbun

quarta-feira, 14 de março de 2018

Paraná inicia comemorações pelos 110 anos da imigração japonesa

Em parceria com os Correios, foi lançado um selo comemorativo à data
Cerimônia de início das comemorações dos 110 anos da imigração japonesa em Curitiba, onde foi lançado um selo que representa a data

O governador do Paraná, Beto Richa, e o cônsul-geral do Japão em Curitiba, Hajime Kimura, abriram oficialmente na última segunda-feira (12), no Palácio Iguaçu, as comemorações pelos 110 anos da imigração japonesa no Estado.

Na mesma solenidade, foi lançado em parceria com os Correios um selo comemorativo à data. Também foi criada a comissão estadual dos 110 anos de Imigração que organizará as festividades no Estado.

Richa ressaltou que os eventos são uma forma de reconhecimento à contribuição da comunidade japonesa para a formação cultural e econômica do Paraná. “Nosso Estado deve muito à comunidade japonesa, que com seu trabalho e valores ajudam a construir o Paraná que hoje o Brasil admira”, afirmou. “São contribuições notáveis, como na agricultura que é a base da economia paranaense”, disse.

Os 110 anos da imigração japonesa estreitam ainda mais as relações do Estado com o Japão. “O Paraná tem laços de irmandade com a província de Hyogo e quatro municípios paranaenses têm irmandade com cidades japonesas”, lembrou o governador. Curitiba é cidade-irmã de Himeji; Londrina de Nishinomiya; Maringá de Kakogawa; e Paranaguá de Awaji-shi. “Estreitamos as relações institucionais e intercâmbios com o Japão que é exemplo de cultura, tradição e disciplina”.

A vice-governadora Cida Borghetti que a comemoração vai fomentar ainda mais acordo bilaterais e reforçar os laços de amizade. “É um reconhecimento para a preservação dessa cultura milenar”, afirmou ela. Também participaram da cerimônia a vice-governadora Cida Borghetti; o presidente da Aliança Cultural Japão-Brasil Paraná, Hiroshi Kamiguchi; o superintendente estadual dos Correios no Paraná, Paulo Cezer Kremer dos Santos, o presidente da associação Nikkei de Curitiba, Rui Hara, e o diretor-presidente do Instituto Hyogo Nobuyuki Nagata.

De acordo com o cônsul-geral Hajime Kimura, o Brasil abriga a maior comunidade japonesa fora do país de origem, com 1,9 milhão de pessoas. O Paraná é o segundo estado da América Latina com o maior número de nikkeis. São 150 mil descendentes em solo paranaense. “O número de japoneses cresce a cada ano, porque cada vez mais empresas japonesas mostram interesse em se firmar no Paraná, que é um estado acolhedor e com economia forte”, afirmou o cônsul.

110 anos da imigração japonesa

180 Eventos
A comissão formada por representantes do Governo do Estado, consulado e entidades nipônicas no Paraná será responsável por 180 eventos culturais, econômicos e tecnológicos para comemorar a chegada dos japoneses no Estado.

A principal festividade será a Expo Imin 11, que acontece em Maringá entre os dias 19 e 22 de julho com a presença da princesa japonesa Mako e do vice-primeiro ministro do Japão, Taro Aso. “O objetivo desta edição é repassar as tradições e culturas às próximas gerações”, explicou o presidente das comemorações, deputado federal Luiz Nishmouri.

A imigração japonesa começou 1908, quando o navio Kasato-Maru atracou no porto de Santos, no Litoral de São Paulo, e 165 famílias desembarcaram no país para trabalhar nas fazendas de café. Da chegada para cá, Brasil e Japão criaram laços culturais e econômicos fortes.
Fonte: Alternativa

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Brasileiros continuam sendo maioria dos estrangeiros em Gunma

Apesar dos brasileiros continuarem no topo da lista dos estrangeiros, o crescimento foi baixo
Brasileiros  em Gunma

O governo da província de Gunma divulgou as estatísticas dos estrangeiros na província, fechadas em 31 de dezembro do ano passado.

A população estrangeira é composta de pessoas de 109 países e a soma chega a 53.510, com aumento de 10% em relação ao ano anterior.

Os estrangeiros representam 2,7% da população da província, que é de 1.990.586 pessoas.

Nas 35 cidades da província, as que mais têm residentes estrangeiros são:

  •     Isezaki: 12.139  
  •     Ota: 10.568
  •     Oizumi: 7.585
  •     Maebashi: 6.088
  •     Takasaki: 5.095

Brasileiros e latinos
Houve um aumento de 150 residentes verde amarelos na província, em relação ao ano anterior. O total é de 11.636 distribuídos nas cidades onde oferecem mais empregos.

Provenientes dos demais países da Ásia, os vietnamitas tiveram um aumento de 28%, 29% dos indonésios, 48% dos srilankeses, além de 154% do Camboja, por exemplo.

Veja o ranking dos residentes estrangeiros.

  1.     Brasil: 11.636
  2.     Filipinas: 7.753
  3.     China: 7.459
  4.     Vietnã: 7.017
  5.     Peru: 4.490

Entre os estrangeiros, os de língua espanhola, além do Peru, são provenientes de diversos países: 479 da Bolívia, 193 do Paraguai, 167 da Argentina, 47 da Colômbia, 43 do Chile, 30 do México, 14 da Espanha, 7 do Uruguai, 4 da Venezuela, 5 da Costa Rica, 3 do Equador, 1 do Panamá e 1 de Cuba.
Fonte: Portal Mie

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Japão inicia coleta de opinião pública sobre visto para yonsei

Qualquer pessoa pode opinar em um formulário online até 21 de fevereiro
visto para yonsei

Os trâmites para que o Japão passe a aceitar descendentes de japoneses de quarta geração (yonsei) já estão chegando na fase final. Na terça-feira (23), o Ministério da Justiça lançou uma página em um site do governo para coletar opiniões da população em geral.

Estrangeiros residentes também podem participar, mas o documento de regras publicado explica que as opiniões devem ser fornecidas no idioma japonês e é necessário que haja os dados pessoais do colaborador, como nome, endereço e telefone de contato.

A opinião pode ser enviada por um formulário online na página oficial (aqui) até o dia 21 de fevereiro.

O interessado também pode mandar para o endereço de e-mail nyukan73@i.moj.go.jp ou por correspondência para o endereço do Ministério da Justiça: 〒100-8977 Tokyo-to Chiyoda-ku Kasumigaseki 1-1-1. O destinatário deverá ser Houmusho Nyukan Kanrikyoku Sanjikan-shitsu (法務省入国管理局参事官室).

Regras
Até o momento, o governo já decidiu algumas regras para a aceitação dos descendentes de quarta geração e fatores como idade ou conhecimento de língua japonesa podem excluir parte da comunidade que reside atualmente no Brasil.

Os interessados em residir no Japão através deste processo de visto devem ter mais de 18 e menos de 30 anos e nível de idioma equivalente N4 do exame de proficiência em língua japonesa (nihongo nouryoku shiken).

Os yonseis deverão avançar para nível N3 após dois anos de estadia. Outras regras, como condições financeiras que assegurem a vinda ao Japão, boa saúde e vir sozinho (o visto não pode ser estendido à família) estão na lista de exigências.

Os yonseis precisarão se inscrever em planos de seguro saúde, como o shakai hoken, e poderão ficar no Japão por até cinco anos, com renovação anual do visto.

O objetivo do governo é acolher inicialmente, em média, quatro mil yonseis por ano e as regras foram elaboradas para garantir que esses jovens adultos tenham uma boa adaptação no país. É possível que haja alterações com o tempo e afrouxamento de regras para que o país possa acolher mais descendentes.
Fonte: Alternativa